Make your own free website on Tripod.com

Auxilio visual para aulas de

Leite – ECONOMIA FINANCEIRA – UFPB: 2000.

 

2.4 -  A FUNÇÃO POUPANÇA

 

 

1.    Decisão de  Poupança-Consumo

 

a) Determinação:  É determinada pela conjunção das curvas de indiferenças, representativas das preferências intertemporais, com a reta do  mercado de capitais, indicativa da atuação dos intermediários

 

b) Equilíbrio: Em equilíbrio, a inclinação da Curva de Indiferença, chamada, taxa de substituição intertemporal (TSTpf),  é igual à reta do mercado de capitais (RMC), de modo que a taxa de  remuneração desejada pelo agente poupador (taxa de preferência intertemporal) é igual à taxa oferecida pelo mercado financeiro:    r = r

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2.    Desequilíbrio e Ajustamento

 

a) Dotação inicial de renda:  Io = Ypo, Yfo  determina altura da RMC.

b) Desequilíbrio:  No ponto E, há desequilíbrio, pois r > r

c) Ajustamento: Indivíduo aproveita oportunidade e toma dinheiro emprestado no setor financeiro visto que r > r.

 

 

 

3.    Equilíbrio do Poupador

 

a)    Fator de preferência intertemporal: 1 + r

b)    Fator de transferência intertemporal: 1 + r

c) Equilíbrio do poupador:   r = r

d) Regras de decisão:

     Se r > r, o agente poupador será induzido a tomar emprestado  

     Se r < r, o agente poupador será induzido a tomar emprestado  

Conclusão : A variação da taxa de juros de mercado ( “r” ) determina a

    decisão de poupar ou despoupar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4.    Função Poupança

S

 

S

 

r

 

a) Determinantes:  Dadas as preferências intertemporais e a dotação de renda (Io),  a poupança depende da taxa de juros do mercado financeiro

 

b) Forma matemática:    S = f(r; Io) onde f1 e f2  são positivas

r

 

DEPENDÊNCIA DA  taxa de juros

 

dependÊncia daS rendaS